A próxima mitologia de ‘God of War’ não deve ser a egípcia; entenda

A próxima mitologia de ‘God of War’ não deve ser a egípcia; entenda

Quando God of War Ragnarok for lançado no PS5 e PS4 ainda este ano, a nova aventura de Kratos será a última situada na mitologia nórdica. Em vez de estender a...

Diego Henrique - 1 de fevereiro de 2022
 A próxima mitologia de ‘God of War’ não deve ser a egípcia; entenda

Quando God of War Ragnarok for lançado no PS5 e PS4 ainda este ano, a nova aventura de Kratos será a última situada na mitologia nórdica. Em vez de estender a saga em uma trilogia, como os jogos originais de God of War em cenários gregos, a Santa Monica Studio aparentemente voltará sua atenção para um novo panteão.

 

    LEIA MAIS!

 

Mesmo que haja uma longa lista de religiões antigas famosas que poderiam ser adaptadas muito bem em um jogo de God of War, as histórias da mitologia polinésia devem estar bem no topo da lista do estúdio. Embora ainda não se saiba quais personagens sairão vivos no final de God of War Ragnarok, é altamente improvável que a história termine ali, independentemente do resultado.

Desde o lançamento do God of War original no PS2, a franquia se tornou um dos garotos-propaganda do PlayStation. O soft-reboot de 2018 vendeu quase 20 milhões de cópias, mesmo antes de seu recente lançamento no PC. Seja o inevitável próximo jogo estrelado por Kratos, Atreus ou um novo protagonista, a mitologia polinésia é uma abordagem muito grande para a franquia ignorar.

Popularidade da cultura polinésia

Tendo explorado a mitologia grega e nórdica ao longo de oito jogos de console, é hora da franquia God of War esticar as pernas para longe da Europa. Embora ainda haja muitos panteões para brincar em toda a região, a proximidade das civilizações antigas significa que há muita similaridade entre elas.

Os centauros, por exemplo, que aparecem, diretamente ou de forma semelhante, nas histórias gregas, romanas e nórdicas. Existem até feras que se assemelham às criaturas híbridas da mitologia egípcia, que é um dos outros candidatos populares não europeus para o cenário.

Talvez a maior razão pela qual a mitologia polinésia seria ideal sobre todas as outras opções é o simples fato de que daria ao estúdio a chance de explorar algo completamente novo. Nos últimos anos, a cultura polinésia recebeu um aumento em adaptações, populariade e exposição, graças em parte ao lançamento do filme de animação da Disney em 2016, Moana.

Dentro do filme reconfortante, a protagonista fica lado a lado com várias entidades da mitologia polinésia; como Maui, o malandro semideus que muda de forma. Embora essa descrição realmente tenha uma semelhança impressionante com o Loki da mitologia nórdica, ainda não houve no mundo dos games uma exploração dos temas polinésios após o sucesso de Moana.

A Sony também tem uma história com a cultura e mitologia polinésia que poderia explorar durante um futuro jogo da franquia God of War. De volta à era PS2, foram lançados os jogos The Mark of Kri e Rise of Kasai, dois clássicos cult que exploraram o panteão e a mitologia em detalhes.

Embora a história de Rau Utu tenha permanecido à margem dos planos da Sony, é fácil imaginar uma franquia estabelecida como God of War se saindo muito melhor hoje. No momento, não há mais nada na PlayStation que tenha a aparência da mitologia polinésia, o que deixa a porta convenientemente aberta para a Santa Monica Studio.

Potencial da mitologia polinésia

A maioria das mitologias do mundo são tão antigas, como o material de origem nórdico de God of War Ragnarok, que muitas vezes há versões conflitantes das mesmas histórias e personagens. Isso é especialmente verdadeiro para os mitos das culturas polinésias, devido ao grande número de ilhas no Oceano Pacífico que seguiram e adaptaram seus ensinamentos.

Esse fenômeno, combinado com a falta de concorrência na indústria de jogos, permitiria ao Santa Monica Studio mergulhar de cabeça na mitologia polinésia com mais liberdade do que a maioria das outras religiões. Embora não haja dúvida de que o estúdio permaneceria fiel e respeitoso à cultura polinésia, não ter que se preocupar em tropeçar em outra interpretação popular provavelmente incentivaria uma maior criatividade.

Adaptar a mitologia polinésia em uma única história coesa, com pontos da trama espalhados por vários jogos, não seria tarefa fácil. Ao contrário dos panteões da história nórdica e grega, que são amplamente construídos em torno de sua morte predestinada, as histórias da mitologia polinésia não são impulsionadas pelo apocalipse.

Em vez disso, histórias sobre como os deuses criaram o mundo polinésio e suas interações subsequentes com a humanidade são muito mais prevalentes do que aquelas que levam à violência. A força sobrenatural conhecida como Mana, que pode ser boa e má, unifica muitas histórias e diz-se que é encontrada em todos os indivíduos e objetos.

Uma narrativa construída em torno do conceito e sua corrupção pode ser um caminho para o estúdio semelhante ao enredo da caixa de Pandora da trilogia original. Assumir um projeto com tema polinésio depois do Ragnarok permitiria os desenvolvedores seguir várias direções possíveis devido à sua natureza ambígua. A introdução de Kratos ou Atreus no panteão, por exemplo, pode ser o catalisador que desencadeia a agitação entre as divindades polinésias.

A recente história em quadrinhos de God of War retratou um evento semelhante quando Kratos tropeçou no Egito Antigo, então não seria difícil imaginar uma guerra civil em reação ao colapso do mundo nórdico. Alternativamente, uma história mais fundamentada poderia ser contada através dos olhos de um semideus novinho em folha, enquanto eles interagem com figuras populares como Maui e Ku, o deus polinésio da guerra.

Criaturas da Polinésia

Apesar de seu grande sucesso, uma das poucas críticas que ocasionalmente foi feita ao God of War de 2018 foi a falta de diversidade adversária. Continuar a saga depois do Ragnarok, dentro de uma mitologia ambientada no outro lado do mundo, permitiria aos desenvolvedores anular esse problema daqui para frente.

Graças à natureza oceânica única da mitologia polinésia, o panteão de deuses e bestas está repleto de personagens que são diferentes de tudo o que se vê em outras religiões. Muitos dos quais permitiriam que o estúdio criasse posteriormente novas mecânicas de jogo que não apareceram nos jogos anteriores de God of War.

Ser uma religião predominantemente encontrada em comunidades baseadas em ilhas garante que um jogo de God of War pós-Ragnarok possa se apoiar em criaturas aquáticas como nunca antes. Criaturas semelhantes a tubarões conhecidas como Taniwha, sereias e lagartos Mo’o manipuladores do clima de 30 pés expandiriam o estabelecimento este universo para novos reinos.

Quando se trata de batalhas de chefes de marca registrada da série, a mitologia polinésia também está pronta para exploração nesse departamento. É uma ocorrência comum dentro do panteão, para deuses, semideuses e bestas, todos serem capazes de se transformar em outras pessoas.

Naturalmente, essa habilidade se prestaria bem à criação de lutas interessantes contra chefes, ao mesmo tempo em que torna um God of War polinésio diferente de qualquer outra coisa jogável no momento. Mas e você, o que acha de tudo isso? Não esqueça de comentar em nossas redes sociais.

Para mais novidades sobre o mundo dos games, fique de olho no Legado Plus.

Créditos: Gamerant