20 anos de sucessos nas bilheterias brasileiras – Ano 2002

20 anos de sucessos nas bilheterias brasileiras – Ano 2002

Enquanto os cinemas estão fechados graças à epidemia de COVID-19, que tal olharmos para trás? Nesta série de matérias especiais, vamos conhecer os filmes que levaram multidões aos cinemas...

 20 anos de sucessos nas bilheterias brasileiras – Ano 2002

Publicidade


Publicidade

Enquanto os cinemas estão fechados graças à epidemia de COVID-19, que tal olharmos para trás? Nesta série de matérias especiais, vamos conhecer os filmes que levaram multidões aos cinemas brasileiros durante quase duas décadas nas bilheterias brasileiras.

Cada parte da matéria trará as 10 maiores bilheterias de cada ano do século, com uma análise em separado sobre suas performances, além das maiores aberturas, entre outros temas muito interessantes!

Leia aqui sobre as maiores bilheterias dos anos 2000 e 2001, e conheça agora as maiores de 2002:

Publicidade

Maiores filmes em 2002:

 

# Nome do filme Data de estreia Nº de ingressos vendidos Faturamento (em R$)
1 Homem-Aranha 17/05/2002 8.488.182 46.031.289
2 Harry Potter e a Câmara Secreta 22/11/2002 4.578.475 26.738.294
3 O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel 01/01/2002 4.286.887 24.560.091
4 O Senhor dos Anéis: As Duas Torres 27/12/2002 4.133.452 26.319.044
5 MIB: Homens de Preto 2 12/07/2002 3.445.394 18.757.914
6 Scooby-Doo 04/10/2002 3.175.875 16.614.205
7 Cidade de Deus 30/08/2002 3.370.871 18.694.109
8 Sinais 20/09/2002 2.707.995 16.027.239
9 A Era do Gelo 22/03/2002 2.493.753 13.300.946
10 Onze Homens e um Segredo 22/02/2002 2.439.239 15.343.586

 

Um dos super-heróis mais icônicos da história fez sua estreia nos cinemas com um sucesso quase inédito para um longa de quadrinhos, em 2002: Homem-Aranha, de Sam Raimi, atraiu filas e filas de pessoas querendo conferir a primeira aventura do Cabeça de Teia da Marvel.

Publicidade

Por aqui, o longa foi um sucesso de proporções quase inéditas. Já em seu primeiro fim de semana ele quebrou o recorde de abertura: com nada menos que 1,3 milhão de pessoas em seu primeiro fim de semana, Homem-Aranha tornou-se o primeiro longa a vender mais de 1 milhão de ingressos em apenas um fim de semana. Depois, após meses de dominância contínua nas bilheterias, ele se tornou a maior bilheteria desde Titanic e o sétimo maior público da história na época.

O mais importante, porém, foi que Homem-Aranha ensinou duas lições que Hollywood aprendeu com fidelidade. Em primeiro lugar, a de que heróis de quadrinhos, e os da Marvel em particular, são fontes para muito dinheiro. Perceba como ainda não pararam de fazer filmes sobre Peter Parker quase 20 anos após sua estreia nas telonas.

Publicidade

E a segunda lição é a de que Hollywood poderia arrecadar muito mais dinheiro com longas que apelassem para uma grande quantidade de pessoas ao mesmo tempo. Se até então os filmes poderiam ser qualificados como voltados para famílias com crianças, adolescentes e adultos, um filme como Homem-Aranha atraía todas essas audiências ao mesmo tempo.

Divertido para jovens e adultos, o clássico de Sam Raimi obteve monstruosa bilheteria justamente por ser um longa que atraía audiências de diferentes idades. E filmes de super-heróis acabam sendo perfeitos para serem voltados para todos os quadrantes populacionais, com suas histórias de embates entre personagens fantasiados e super-vilões e muitos efeitos especiais. Isso explica a resiliência do gênero até hoje e, claro, o sucesso que o MCU viria a encontrar poucos anos depois do longa estrelado por Tobey Maguire e Kirsten Dunst.

Porém, claro, o ano não foi só sobre o Cabeça de Teia. Na segunda posição, Harry Potter e a Câmara Secreta obteve um sucesso quase similar ao do primeiro longa: apenas 1.352 ingressos a menos do que A Pedra Filosofal. E tudo isso com uma abertura superior, com o longa vendendo 880 mil ingressos em seu primeiro fim de semana. O fandom do bruxinho de óculos estava se consolidando.

Publicidade

Dois filmes da trilogia mais premiada do início dos anos 2000, O Senhor dos Anéis, figuram na tabela deste ano, devido ao fato de que A Sociedade do Anel chegou ao Brasil logo no início de 2002 e As Duas Torres nos últimos dias do ano. O primeiro obteve maior público do que o segundo, a despeito deste ter obtido uma abertura maior do que o longa que iniciou a trilogia.

Os longas da franquia de fantasia de Peter Jackson foram bastante bem sucedidos no país. Atraindo adultos e adolescentes mais velhos, O Senhor dos Anéis obtiveram bilheterias consistentes entre os três filmes. Se por um lado isso reflete o fato de que o público da franquia não se expandiu durante a trilogia, então ao menos ele manteve a mesma base de audiência.

Publicidade

Porém, uma franquia que de fato expandiu sua audiência de um filme para o outro por aqui foi MIB. O segundo longa da série estrelada por Will Smith e Tommy Lee Jones chegou ao país em julho daquele ano e saiu de cartaz com um público que foi quase o dobro do primeiro, lançado em 1997.

O Homem-Aranha não foi o único personagem animado a fazer sua estreia em live action naquele ano. Scooby-Doo trouxe o famoso dogue alemão e sua turma de investigadores pela primeira vez nas telonas do cinema. Ainda que muito do humor do filme fosse inspirado pelas comédias adolescentes da época (cortesia do roteiro de James Gunn, que anos depois ficaria famoso por dirigir Guardiões da Galáxia), Scooby-Doo atraiu pais com crianças e vendeu mais de 3 milhões de ingressos em outubro daquele ano.

Publicidade

Um dos filmes brasileiros mais importantes da história e nosso maior sucesso fora do Brasil fez sua estreia em 2002. Cidade de Deus, o longa que levou Fernando Meirelles a competir pelo Oscar de Melhor Diretor, também vendeu cerca de 3 milhões de ingressos em seu país de origem, uma bilheteria então quase inédita para um filme brasileiro naquela época. Afinal, cerca de uma década após o fim da Embrafilme, o cinema nacional ainda tentava se reerguer, e Cidade de Deus representou um sopro de esperança e otimismo – um sinal de que o país seria capaz de produzir longas que fossem bem sucedidos nas bilheterias e aclamados pela crítica.

Em oitavo lugar, outro dos longas de M. Night Shyamalan produzido em seu, bem, auge. Sinais não obteve o mesmo sucesso de O Sexto Sentido mas ainda levou quase 3 milhões de pessoas aos cinemas para assistir sua combinação de ficção científica e terror. Finalmente, A Era do Gelo estreou nos cinemas nacionais timidamente , levando quase 2,5 milhões de pessoas aos cinemas, porém encontraria grande sucesso no país posteriormente com suas sequências. E, fechando a tabela, o longa lotado de astros Onze Homens e um Segredo, no qual eles interpretam uma equipe de ladrões e golpistas tentando efetuar um roubo em Las Vegas.

 

Publicidade

Maior fim de semana de abertura do ano: Homem-Aranha, com 1.299.312 ingressos vendidos. Até então, nunca nenhum filme havia levado mais do que 1 milhão de pessoas aos cinemas apenas em seu fim de semana de estreia, e no entanto o clássico do Cabeça de Teia quebrou o recorde de maneira fabulosa.

Número de salas de cinema naquele ano: 1.635

Público total: 90,9 milhões de ingressos vendidos

Publicidade

Média por sala: 55.576 de ingressos por sala ao longo do ano

 

A expansão do número de salas foi mais lenta do que nos anos anteriores. Porém, se entre 1999 e 2001 tal expansão não era acompanhada pelo crescimento no número de espectadores por falta de grandes blockbusters numa grande quantidade, o que fazia com que a média por sala decaísse, em 2002 o número de ingressos vendidos simplesmente explodiu. Tudo isso graças aos sucessos de Harry Potter e a Câmara Secreta, MIB 2, O Senhor dos Anéis, Scooby-Doo e, claro, Homem-Aranha.

Publicidade

2002 foi um ano excelente para os cinemas brasileiros: maior público anual desde 1991 e maior média por sala desde 1995. Após o fim dos cinemas de rua e o encarecimento no preço dos ingressos, ir à telona estava começando a se tornar um passatempo popular novamente. E isso só melhoraria nos anos seguintes.

 

Fonte: FilmeB.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.