Sonic é a maior abertura da história para um filme baseado em videogame

Sonic é a maior abertura da história para um filme baseado em videogame

O ouriço azul mais adorado da história dos games, e um ícone dos memes da internet, chegou com tudo aos cinemas. Com uma abertura acima do esperado, Sonic: O...

Tiago Vieira - 19 de fevereiro de 2020
 Sonic é a maior abertura da história para um filme baseado em videogame

O ouriço azul mais adorado da história dos games, e um ícone dos memes da internet, chegou com tudo aos cinemas. Com uma abertura acima do esperado, Sonic: O Filme por enquanto é um sucesso.

Na bilheteria americana, Sonic arrecadou cerca de US$ 57 milhões durante o fim de semana. Dessa forma, o filme superou Pokémon: Detetive Pikachu, que estreou em maio passado com US$ 54 milhões, para ser o maior primeiro fim de semana de abertura para um longa baseado em games, sem ajustar pela inflação. Claro, para ser justo, em sua abertura Detetive Pikachu enfrentava o terceiro fim de semana do megasucesso Vingadores: Ultimato, enquanto Sonic foi basicamente o único blockbuster para todas as idades em cartaz.

Além disso, estima-se que Sonic arrecade US$ 68 milhões desde sua estreia americana, na sexta, até segunda, dia 17/02, que nos EUA é o feriado de Dia dos Presidentes. Se essas previsões se confirmarem, o ouriço obterá a quarta melhor abertura para este feriado, logo atrás dos sucessos Pantera Negra (US$ 242 milhões), Deadpool (US$ 152 milhões) e Cinquenta Tons de Cinza (US$ 93 milhões).

Sonic também representou um bem vindo sucesso para a Paramount, um estúdio que passou por grandes dificuldades nos últimos anos conforme suas franquias entraram em colapso (Transformers, Star Trek e a recém iniciada série das Tartarugas Ninja produzida por Michael Bay) e os fracassos se acumulavam. Até a chegada do ouriço o centenário estúdio, responsável por clássicos do cinema como a trilogia O Poderoso Chefão, basicamente dependia de Missão: Impossível para se manter entre os grandes estúdios hollywoodianos. 

 

Para se ter uma ideia, descontando os longas da franquia de espionagem estrelada por Tom Cruise, Sonic foi a maior abertura na bilheteria americana da Paramount desde Star Trek Sem Fronteiras (US$ 58 milhões em julho de 2016, basicamente assassinando a versão da série espacial reimaginada por J.J. Abrams). Entre franquias estreantes para a Paramount, foi a maior abertura desde As Tartarugas Ninja (US$ 65 milhões) em agosto de 2014. Na época, o estúdio da montanha cercada de estrelas pensou que tinha uma nova e lucrativa franquia nas mãos – até que a continuação das tartarugas lutadoras fracassou dois anos depois.

Como você deve se lembrar, o primeiro trailer de Sonic virou motivo de piada e diversos memes na internet, graças ao estranho (e francamente perturbador) design do personagem-título. Com a péssima recepção, o longa foi adiado de novembro de 2019 para fevereiro de 2020, a fim de que a equipe pudesse redesenhar Sonic para o longa. Deu certo: a nova versão do herói azulado foi extremamente bem recebida pela internet. 

Além disso, do ponto de vista das bilheterias, o adiamento de Sonic acabou representando uma bênção para a Paramount. Em sua data original, o ouriço acabaria enfrentando o monstro de bilheterias Frozen II (que está chegando ao final de sua carreira com inacreditáveis US$ 476 milhões nos EUA e US$ 1.43 bilhão globalmente) e, algumas semanas depois, o também bem sucedido Jumanji: Próxima Fase (US$ 307 milhões nos EUA e US$ 780 milhões global). Agora em fevereiro, Sonic é o maior blockbuster infantil a estrear em meio a um mar de filmes adultos, sejam filmes de ação (Aves de Rapina, Bad Boys para Sempre), sejam dramas do Oscar (1917, Parasita).

A falta de opções para as crianças foi basicamente o que manteve o desastre Dolittle entre as 10 maiores bilheterias do fim de semana. Portanto, o filme do ouriço obteve o mesmo benefício que deu a Uma Aventura Lego seis anos atrás, em fevereiro de 2014: o fato de ser o primeiro grande filme infantil do ano. Curiosamente, tanto Sonic quanto a animação dos brinquedos estrearam poucos meses após um longa da franquia Frozen. E ambos apelam tanto a famílias com crianças pequenas como a adultos nostálgicos, especialmente os jovens que cresceram com o herói azul e se divertiram com os memes baseados nele recentemente. 

Com críticas até decentes (63% no Rotten Tomatoes, o que para um filme baseado em games é quase um novo Casablanca), Sonic deve continuar firme e forte ao menos até a chegada do novo longa da Pixar Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica, no dia 6 de março. Considerando que este é uma franquia original, sem se basear em nenhuma propriedade preexistente, e também a boa recepção de Sonic entre o público (o longa obteve um A no CinemaScore e uma nota da audiência de 95% no Rotten Tomatoes), é provável que o ouriço seja o concorrente mais forte em comparação com a animação da Disney. Claro, há O Chamado da Floresta na próxima semana, porém tal longa não deve ser exatamente um blockbuster nas bilheterias.

Comparações com outros longas a estrearem no Dia dos Presidentes são complicadas, devido ao fato de que este não é um feriado conhecido por abrigar as estreias de muitos filmes infantis – a maioria são dramas ou longas de ação para adultos, ou ao menos para adolescentes e jovens adultos em diante (como é o caso de Pantera Negra, Motoqueiro Fantasma e Alita: Anjo de Combate). Antes de Sonic, a maior estreia neste feriado para um longa exclusivamente infantil era Percy Jackson e o Ladrão de Raios, que estreou com US$ 38,6 milhões em 2010.

Caso Sonic desempenhe como Percy Jackson, sai de cartaz com bons US$ 156,1 milhões, tornando-se a maior bilheteria americana para um longa baseado em games. Já uma performance similar a de Deadpool o leva a US$ 162 milhões, enquanto um desempenho pós-feriado mais parecido com Pantera Negra leva Sonic a ótimos US$ 196 milhões. Creio que esta é uma previsão um pouco otimista demais – mas mesmo numa perspectiva realista, uma total pouco acima dos US$ 150 milhões ainda é uma boa possibilidade para Sonic.

Fora da América do Norte, Sonic arrecadou mais US$ 43 milhões em 40 mercados. Dessa forma, o longa teve uma estreia global de ótimos US$ 111 milhões. Detetive Pikachu, como comparação, havia arrecadado cerca de US$ 160 milhões em seu primeiro fim de semana ao redor do globo, porém o Pokémon havia chegado a mais mercados internacionais do que o ouriço juntamente com sua estreia americana: 62 deles, incluindo o Japão e a China.

Por outro lado, Sonic precisou de apenas US$ 85 milhões para ser feito. Incluindo o redesign do herói, ainda assim ele saiu mais barato do que os US$ 150 milhões que Detetive Pikachu precisou para ser produzido. Portanto, uma bilheteria global acima dos US$ 260 milhões já será o bastante para que Sonic seja lucrativo para a Paramount. É uma boa notícia, considerando que, ao menos por enquanto, o longa não poderá contar com a China, ainda lidando com a epidemia de coronavírus. Mesmo sem o país oriental, Sonic pode sair de cartaz com mais de US$ 300 milhões globalmente.

É uma ótima bilheteria para o ouriço. Por outro lado, muitos animadores devem ter precisado trabalhar horas extras e mal pagas para criar e adequar o novo visual do herói ao longa. Esperemos que eles não sejam esquecidos pelo estúdio ao repartir os dividendos do filme (embora meu pessimismo me garanta que isso é difícil de ocorrer).