Novo filme de Steven Spielberg, musical Amor Sublime Amor fracassa nas bilheterias

Novo filme de Steven Spielberg, musical Amor Sublime Amor fracassa nas bilheterias

Um dos musicais mais amados da história do cinema e da Broadway em uma versão comandada pelo diretor mais bem sucedido de todos os tempos. Parece a fórmula certa...

 Novo filme de Steven Spielberg, musical Amor Sublime Amor fracassa nas bilheterias

Publicidade


Publicidade

Um dos musicais mais amados da história do cinema e da Broadway em uma versão comandada pelo diretor mais bem sucedido de todos os tempos. Parece a fórmula certa para o sucesso, certo? Infelizmente, não foi o que aconteceu no último fim de semana e a estreia de Amor, Sublime Amor foi simplesmente péssima.

Apesar das ótimas críticas, o longa distribuído pela 20th Century Studios (ou seja, pela Disney) faturou apenas US$ 10,5 milhões nos EUA e US$ 4,4 milhões fora da América do Norte, o que lhe dá um total global de US$ 15 milhões. Considerando que o longa custou US$ 100 milhões para ser produzido, são números risíveis.

Trata-se do segundo musical estrelado por atores latino-americanos a fracassar em 2021, após o fiasco de Em Um Bairro de Nova York em junho – embora este longa ao menos tem a desculpa de ter sido lançado simultaneamente nos cinemas e na HBOMax. 

Publicidade

Por sua vez, Amor, Sublime Amor é baseado num musical da Broadway que já havia sido adaptado antes para a telona em 1961, de modo que seu público alvo é composto de pessoas mais velhas que cresceram com o clássico. Segundo o Deadline, 52% das pessoas que assistiram ao longa de Spielberg este fim de semana tinham 35 anos ou mais, e 57% eram mulheres. Porém, esta audiência não compareceu aos cinemas no volume desejado pela Disney, em parte graças à pandemia. 

Amor, Sublime Amor teve estreia ruim nas bilheterias

No entanto, o coronavírus não é o único culpado pela fraca bilheteria deste fim de semana. Segundo analistas da indústria, a audiência mais velha e fã de musicais não tem pressa em correr para os cinemas na estreia. Pelo contrário: ainda ocupados com as preparações para as festas de fim de ano, o público costuma deixar para comparecer nos dias seguintes à estreia. É exatamente o contrário do que costumamos ver com filmes de super-heróis, nos quais os fãs procuram assisti-los logo nos primeiros dias de exibição a fim de evitar os spoilers.

Publicidade

E nisso reside a grande arma secreta de Amor, Sublime Amor: a temporada de Natal. Nela, o público de folga costuma comparecer em maior volume aos cinemas. O grande precedente para isso ocorreu no Natal de 2017: enquanto Star Wars: Os Últimos Jedi quebrava recordes, o musical O Rei do Show abriu no dia 20 de dezembro (uma quarta-feira) de maneira humilde, arrecadando apenas US$ 13,4 milhões em seus primeiros cinco dias. 

No entanto, o longa estrelado por Hugh Jackman e Zac Efron mostrou resiliência admirável durante os últimos dias do ano e os primeiros de 2018, chegando até a ultrapassar o Episódio VIII da saga espacial no ranking dos filmes mais assistidos do fim de semana em janeiro. Eventualmente, O Rei do Show saiu de cartaz com US$ 174,3 milhões, um total monstruosamente grande considerando sua pequena abertura. 

A Disney espera que algo similar aconteça com Amor, Sublime Amor. A ótima resposta do longa dos críticos e também do público, a nova versão das clássicas canções que embalam o filme e o nome de Spielberg podem ser o que o filme precisa para se manter firme e forte no fim do ano. No entanto, para isso ele precisará sobreviver à inundação de blockbusters que chegará às salas de cinema nas próximas semanas.

Publicidade

E você, acha que Amor, Sublime Amor vai reverter a abertura ruim deste fim de semana? Comente com a gente!

Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.